Arquivos de Tag: Vodou

Uma entrevista com o Dr. Patrick Bellegarde-Smith, pesquisador de Vodou e oungan asogwe.

O Professor e oungan Patrick Bellegarde-Smith.   Eu e meu colega (e amigo) Alfredo Cruz coordenamos um pequeno grupo de estudos sobre Vodou Haitiano que começou com a colaboração e apoio do Instituto Pretos Novos e agora conta também com o apoio do “Espelho de Circe”. Dentro de nossa missão está a de divulgar informações […]

Uma Mambo em “O Mundo Sombrio de Sabrina”!

  Atenção: esse artigo contém SPOILERS da quarta (e final) temporada de “Sabrina”. Pensando bem, talvez da terceira também.    A encarnação contemporânea televisiva das trapalhadas de Sabrina, uma bruxa prodígio que só sabe fazer burrada, acabou. Bem, a verdade é que demoraram demais para enterrar e o cadáver já estava fedendo desde a temporada […]

Quando Jesus se iniciou em Kimpasi

Em artigo passado, comentei brevemente sobre os cultos noturnos chamados de “Mayombe” e “Bila” em São Domingos (“O escopo do Vodou Haitiano”, publicado aqui nesse site).  Foi lendo o artigo de Frater Selwanga no sítio da OTOA-LCN que percebi alguma semelhança entre esses cultos e a sociedade Kimpasi do Congo (https://www.otoa-lcn-brasil.com.br/post/o-fogo-congol%C3%AAs-do-vodou). Por isso, decidi dar […]

“The Black Vampyre” – Obeah e Vodou nas páginas de um conto

Foi por meio do site da “Rede Vampyrica” e o do meu nobre amigo vampyro Lord A. que fiquei sabendo da história “The Black Vampyre: a legend of St. Domingo” de autoria do pseudônimo Uriah Derick D’arcy, publicada nos Estados Unidos em 1819*. Bem, para quem não pescou, “St. Domingo” é nada menos do que […]

O Escopo do Vodou Haitiano

Começo esse artigo contando sobre Jérôme Pôteau. Em 1786, em São Domingos, ele e alguns companheiros foram julgados por organizarem e liderarem cultos noturnos chamados “Mayombe” e “Bila”. E eram cultos populares, pois David Geggus nos conta que chegavam a ter até 200 participantes. A razão da popularidade era simples: acreditava-se que quem fosse aos […]

A narrativa espiritual como estruturante do invisível

    Hoje eu me lembrei do que disse Max Beauvoir sobre Papa Legba ser diferente do Legba Africano. Em breve eu revelarei o que ele disse, mas antes quero dizer que o objetivo deste pequeno artigo não é discutir Papa Legba, mas discutir a beleza da narrativa espiritual. Ora, encanto-me todas às vezes das […]