fbpx

Arquivos de Autor: Eduardo Regis

O Ritual Menor do Pentagrama

“Compreendido propriamente, é a Pedra dos Sábios e a Medicina dos Metais” – Aleister Crowley   Talvez não exista na tradição esotérica ocidental um ritual mais popular do que o Ritual Menor do Pentagrama (RmP). A razão para isso é bem simples: é um ritual de efeitos fundamentais que serve também como exercício e como […]

Jean-Maine: um houngan na magia ocidental

Se eu disser o nome Jean-Maine em uma roda de conversa de ocultistas, provavelmente muitos não saberão de quem estou falando. Se eu fizer o mesmo experimento com o nome Michael Bertiaux aposto que o cenário seria outro. Bertiaux é famoso por seu experimentalismo, pela sua escrita complexa e por costurar tradições e ideias diferentes […]

Os olhos de Cristo

O que os olhos plásticos do Cristo de cera me disseram na primeira vez que os fitei foi o seguinte: estou morto. Era impressionante como aqueles olhos em toda sua artificialidade, em toda sua falta de naturalidade, conseguiam ainda sim exprimir o sofrimento e a morte. Isso me trouxe a certeza de que a morte […]

Merlim: o filho quimbandeiro do Diabo.

A série Cursed anda fazendo muito sucesso na Netflix e com isso houve um revival do interesse pelas lendas Arthurianas. Uma das personagens mais intrigantes desse universo é, sem dúvida, Merlim, que muitas vezes é compreendido como um mago, mas que guarda em si muitas outras faces. Resgatei da minha biblioteca o livro de Jean […]

O Sangue de Moisés fez transbordar o Mar Vermelho.

Moisés abrindo o Mar Vermelho em toda a glória do Technicolor. Hoje acordei exegeta. Literalmente. Claro que o hoje no qual escrevo não é o hoje no qual você lê, mas para fins práticos vamos fingir que seja. Não faz diferença. Acordei com um pensamento na cabeça: a divisão do mar vermelho e a passagem […]

O Vodou e sua diversidade

Eu vivo escrevendo aqui, no Facebook e em outros sites o quanto o Vodou Haitiano é diverso e o quanto ele abarca diferentes manifestações. Entretanto, todas as vezes que eu discuto o Vodou, acabo evocando um determinado conjunto de elementos relativamente conservados. Ainda, quando alguém se interessa em ler algum livro sobre o assunto acaba […]

Meus Duendes e minhas Fadas

David Hume (1711-1776) em seu livro “A História Natural da Religião” coloca que os “Deuses de todos os politeístas não valem mais do que os duendes e as fadas de nossos ancestrais, e merecem bem pouca devoção ou adoração”. Ao longo deste livro ele argumenta claramente que o politeísmo só pode ser uma etapa em […]