A Subestimada Oração

Parece-me que poucas coisas são tão renegadas pelos ocultistas contemporâneos quanto à oração. Embora eu consiga pensar em razões que justifiquem a aversão a esta categoria, continuo convicto de que aqueles que deixam tais razões saírem vitoriosas perdem imensamente. Venha comigo tentar explorar um pouco sobre essa questão.

“Inflama-te em oração!” – já nos aconselhava o ocultista preferido de 9 em cada 10 Brasileiros, o famigerado Crowley. Olha, você pode até não gostar do Crowley (e ser esse 1 em 10 aí), mas não dá para negar que ele sabia do que tava falando. Além dele, tem um outro cara pouco famoso que também advogava a oração, seu nome? Éliphas Lévi.

“Olha, Eduardo, eu não quero saber de nada disso. Só quero saber do meu Sagrado Anjo Guardião”. Parabéns. Vai lá ao Abramelin e você verá que tem que orar MUITO para fazer o ritual conforme lá delineado.

Eu sei que muitos tremem ao ouvir a palavra “oração”, pois imediatamente se lembram de tudo que querem renegar: autoridade e cristianismo. Porém, vamos tentar separar as coisas. Em primeiro lugar, oração não tem a ver com autoridade e muito menos é uma exclusividade cristã.

 

Oração não é matéria de crença, necessariamente.

 

Embora a maioria das definições de oração diga que esta seja o ato de apelar a algo ao qual se adora, não quer dizer que oração seja um ato de fé cega. O que é fé? Fé é acima de tudo um sinônimo de confiança. Confiança você pode ter em quem tá na sua frente e em quem você nunca viu. Fé não significa, portanto, acreditar em algo que não seja material ou que seja desconhecido. Ou, pelo menos, não significa só isso.

Você não precisa depositar sua confiança, ou sua fé, em nada que lhe seja desconfortável para fazer uma oração. Simples assim. Vou dar um exemplo. Já pensou em fazer uma oração para você mesmo? Olha, essa não é uma ideia tão louca. Pense bem no quanto isso pode ser interessante.

 

Oração não tem nada a ver com religião.

 

Da discussão acima, fica claro e evidente que oração também não é um ato ou rito exclusivo da esfera religiosa. Talvez da esfera espiritual, mas não de religiões, certamente. Orações podem ser hinos, poemas, pedidos e agradecimentos. Podem tomar várias formas. Sabe-se lá como você vai querer/precisar expressar seus sentimentos/necessidades ao seu objeto de adoração. Opa. Palavra-chave: adoração.

Adoração passa sentido de culto, de prestar homenagens e de afinidade e confiança. Tudo isso é muito familiar ao espectro religioso. Porém, vamos além. Todo ano, no dia em que você nasceu, seus amigos e parentes se reúnem para adorar você. Eles entregam oferendas, cantam e te dão comida. Ora, será que você é um Deus? Dá o que pensar né!

Portanto, adorar não significa entregar as chaves da sua vida ou da sua alma a alguma coisa. Esse é o ponto de vista de muitas religiões, mas não é o que define a coisa. Quando fazemos uma adoração a um determinado espírito em uma cerimônia mágica, por exemplo, não estamos nos organizando de maneira hierárquica. É mais simples: você quer algo que o espírito pode te dar. Vai lá, dá um agrado de boa (adora) e pede (ora).  Antes de tudo, adoração tem o sentido de respeito. Você não sabe só ter respeito por quem considera de alguma forma “superior” né… espero que não!

Inflamar pra que?

 

Eis um dos muitos atributos da oração: ela não somente leva sua voz ao objeto de adoração, mas também traz o objeto de adoração até você. Se você fala com ele lá, ele fala com você aqui. Será que você está ouvindo? Para que você ouça é preciso estar atento, é preciso estar 100% (ou o mais próximo disso) concentrado naquilo. Eis aí o “INFLAMA”. Se você vai orar – bota sua cabeça nisso. Vai e ora com vontade.

O que isso quer dizer? Na hora de falar seus hinos aos Deuses, sua oração, de recitar seu apelo a um espírito ou a uma inteligência aplique duas coisas que já foram discutidas: respeito e confiança. Respeito por você, confiança em você, respeito pelo objeto e confiança no objeto. Se você fizer isso, naturalmente conseguirá mais foco. Sua oração, pedido, hino etc será mais visceral, sanguíneo e poderoso. Quem não curte ser tratado com respeito e com dedicação?

Com essa sua aumentada concentração e com esse propósito aí refinado, provavelmente aumentaram tuas chances de também ser afetado pela oração. Bem, é aí que talvez atue a mão do invisível. Por meio dessa “afetação”, você abrirá espaço para transformações e para ouvir a resposta da tua oração.

 

Ora, Ora, Ora…

 

                Pois é, meus Espelhados! Quem diria que a gente podia aprender alguma coisa com aquela tia mala que manda todo dia de manhã áudio do Cid Moreira lendo a bíblia pelo Whatsapp?

Reconsiderem a visão de vocês sobre a oração. Muitos rituais mágicos contêm orações e alguns são até mesmo uma grande e única oração! Tente estuda-los desta forma e perceba como respeito e confiança podem ser grandes aliados na sua jornada mágica.

 

*Todas as imagens desse artigo foram obtidas na base Pixabay.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *